O desastre da minha moqueca capixaba – Semana da pescaria

Já contei pra vocês que o maridão foi pescar no Xingu com meus irmãos e trouxe alguns bons peixes de lá, né? Já postei até receita de caldo com o barbado que ele trouxe… O que eu não contei é que acabei com o melhor peixe que o o maridão trouxe.

Quando digo acabei, é porque acabei, MESMO! Ficou incomível!

Eu não sabia se sentia mais raiva de mim, pena do maridão ou vergonha dos amigos que vieram jantar com a gente.

Como as postas do peixe eram grandes, decidi inaugurar uma panela que eu comprei em 2001, na Bahia.

Quando eu comprei, fiz exatamente como a baiana explicou e curei a panela de barro com farinha e óleo. Curei, de uma vez só, as 8 panelas que trouxe.

Usei as outras sete, milhões de vezes, logo que curei. Nunca tive problema com elas. Essa grandona, eu ainda não tinha usado.

Decidi usar com a moqueca e nem me toquei que talvez fosse melhor curar a panela novamente ou então ferver uma água por algumas horas para ver se a panela ainda estava com gosto!

Apenas lavei e preparei a danada da moqueca!

Eu nunca tinha preparado a moqueca capixaba e decidi fazer pela primeira vez. Sempre fiz a moqueca baiana/mineira, que é minha paixão!

Assisti alguns vídeos no youtube para não ter nenhuma dúvida e mandei bala:

– Temperei as postas de peixe com sal, limão e pimenta e deixei descansar.

– Cortei rodelas de cebola, pimentões verde e vermelho e tomates maduros.

– Piquei um bom maço de coentro (que coloquei meio salsa e meio coentro)

– Espremi uns bons dentes de alho.

– Refoguei em azeite de oliva o alho, 1/3 das cebolas e colorau por alguns minutos. Juntei 1/3 dos tomates e dos pimentões e refoguei por mais 2 ou 3 minutos. Acrescentei metade das postas de peixe e fiz camadas com peixe, cebola, pimentão, tomate e coentro, intercaladas.

– Reguei com bastante azeite e deixei no fogo até se formar um caldo delicioso e o peixe ficar cozido

– Juntei camarões e esperei 5 minutos

– Acertei o sal e a pimenta

– Cobri com mais coentro e servi…..

….Servi uma moqueca com gosto de barro e querosene.

Não sei de onde saiu o gosto do querosene…mas o foto é que estava insuportável!

Com essa moqueca descobri algumas coisas:

Se você curou a panela de barro e nunca mais usou, teste antes de preparar alguma coisa, fervendo água para ver se não ficou nenhum gosto. Não confie na primeira cura.

Não convide amigos para jantar na sua casa quando você for inaugurar uma panela.

Se moqueca é a capixaba e o resto é peixada, falo com boca cheia: EU GOSTO É DE PEIXADA!

13 comentário para “O desastre da minha moqueca capixaba – Semana da pescaria

  1. Nossa. Q péssimo. São coisas desse tipo que me dão vontade de sumir, enfiar a cabeça embaixo da terra, sair correndo e gritando desarvoradamente!!! Poucas coisas me deixam tão puto do que fazer uma receita com todo o cuidado do mundo, e, no final, o resultado sair lastimável!!! É diferente vc errar no ponto por alguma coisa por inexperiência, e tal, tipo, um pão não crescer por vc não sová-lo direito, ou fazer um bolo solar por abrir o forno antes do tempo. Mas uma coisa desse tipo, fazer tudo certinho, com o maior amor e carinho, pegar só os melhores ingredientes, e no final descobrir que estava servindo moqueca de querosene, é triste demais. Mas conta pra gente, Kris, como é que vc se safou dessa? Fritou nuggets (argh!) pro povo? kkkkkk…
    Um grande beijo, paz, luz e td de bom pra vc!

  2. Noooossa…
    Meus sinceros sentimentos pelo peixe. Querosene, ninguém merece. Deve ter oxidado o óleo da cura, ao longo de todos esses anos.
    No final, tudo dá certo. Se não deu ainda é porque ainda não acabou. Continue tentando que a competência tantas outras vezes demonstrada em outros pratos logo aparece.

  3. Oi Kris! Te sigo a um tempão e às vezes até comento aqui, mas deixa eu te contar, passei a tarde "inteira" no teu blog. Quanto mais eu lia,mais queria ler, acho que viciei..rsrsrs..Bjo!

  4. Acho que você deveria tentar fazer a moqueca capixaba novamente. Ela é simplesmente deliciosa. Também gosto da muqueca baiana, mas a capixaba é mais leve e você sente o sabor do peixe e não do dendê e do leite de coco. Sou capixaba e morei em Salvador durante 5 anos. Gosto das duas, mas há muita diferença entre elas. Tente novamente, te garanto que vai gostar.
    Hellen Simões

  5. Kris,
    Amo suas receitas. Respondi seu questionário no 1º dia e até hoje não sei se você recebeu meus comentários. Confirme para eu saber se devo responder novamente, ok?
    Bj.,
    Mônica Murari – BH

  6. Olá, turma!!! Vocês não imaginam a raiva que fiquei com a moqueca. Acho que o Marcelo está certo,o óleo deve ter oxidado.
    Pra quem ficou curioso: eu tirei umas casquinhas de siri do freezer, coloquei no forno e servi com arroz e pirão. Eu não gosto muito de pizza… seria a última opção!

    Fernanda, fico feliz por saber que passamos uma tarde juntas! 😉

    Mônica, eu recebi, sim, o seu comentário no questionário! Obrigada!
    Nessa semana eu postarei o resultado da pesquisa para todos ficarem sabendo

    Um beijo enorme

  7. Olá Kris, prazer escrever para voce e prazer ver voce no Blog da Claudinha a quem já sigo há algum tempo. Estou conhecendo seu blog hoje e estou amando, creio que aprenderei muito por aqui. Escolhi este post para comentar porque sou Capixaba, e como boa capixaba aprecio muito a comida mineira(rsrs), assim como aprecio pouco os pratos a base de peixe, mas o "causo" com esta moqueca não foi por causa da moqueca, e sim da panela como voce mesmo relatou. Tente novamente a nossa receita, voce descobrirá que a Moqueca Capixaba é tão boa quanto uma bela Peixada. Grande beijo.

  8. Penha, é bom ter você aqui! Espero que goste do meu cantinho!
    Eu prometo aos capixabas que vou tentar a moqueca novamente. Tenho certeza que o problema foi com a panela…

    Muitos beijos

  9. Kris, como vc é uma exímia cozinheira, tem todo o direito de ter errado a suamoqueca, aliás vc não errou, foi a panela!!! Tenho certeza que seus amigos se divertiram da mesma forma que me divirto ao ler seu blog. Bj

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *